Instituto Banco Palmas |  Agente de Inclusão Socioprodutiva

Agente de Inclusão Socioprodutiva

O projeto elas conta hoje com 14 agentes de Inclusão Socioprodutiva. São pessoas da comunidade, na sua maioria jovens de 18 a 24 anos,  que recebem um treinamento do Instituto Palmas e fazem o acompanhamento as mulheres do projeto. Cada agente acompanha, em média, um grupo de 100 mulheres através de visitas domiciliares onde são preenchidas uma ficha de acompanhamento das mulheres.

São Atribuições do Agente

  • Atender as mulheres do Bolsa família,  individualmente e/ou em grupo, para esclarecer possíveis dúvidas, orientar, detalhar os critérios e a documentação necessária para a concessão de crédito, microseguro e outros serviços financeiros e bancários. Esse primeiro atendimento é feito na sede do Banco Comunitário ou no Ponto de Finanças Solidária;
  • Formalizar o processo e o contrato dos créditos concedidos;
  • Realizar o acompanhamento sistemático e continuado da aplicação do crédito, determinado pelas fichas de acompanhamento do projeto;
  • Realizar visitas domiciliares as mulheres, uma vez ao mês, motivando-as para o empreendedorismo associativo,  como forma  de inclusão socioprodutiva. A cada visita, reencher a ficha de acompanhamento das mulheres, mantendo-a em bom estado de conservação e com dados sempre atualizados;
  • Ouvir as dificuldades e orientar as mulheres quanto a utilização de serviços públicos existente no município que possa ajuda-las em suas necessidades pessoais e familiares;
  • Divulgar e motivar a participação das mulheres para  cursos , oficinas e outras ações promovidas pelo projeto ELAS;
  • Ministrar cursos, oficinas e palestras pertinentes ao projeto.

Conheça Mais Sobre os Agentes

O papel do agente é o necessário estabelecimento de vínculos com as mulheres empreendedoras tomadora de crédito.

No caso dos serviços financeiros a criação de vínculo terá inicio quando esses dois movimentos se encontram: a mulher na busca do crédito e o agente se apresentando para oferecer a melhor alternativa para ela. A consolidação do vínculo se dará nas visitas de acompanhamento.

A base do vínculo deve ser o compromisso do agente com o equilíbrio e o desenvolvimento financeiro da tomadora de crédito e o estabelecimento de  relação desta com outras tomadoras, criando um ambiente favorável para o associatismo e o cooperativismo.   Para a tomadora de crédito, mulher beneficiaria do bolsa família,  existirá vinculo quando ele perceber que o agente e a equipe do Palmas contribui para o equilíbrio e desenvolvimento de sua atividade produtiva  e da sua  qualidade de vida.

As ações e serviços do projeto dever ser pautadas pelo principio da humanização, o que significa dizer que as questões de gênero (masculino e feminino), crença, cultura, preferências políticas, etnia, raça, orientação sexual, precisam ser respeitadas e consideradas.

O acolhimento é uma das formas de materializar esse principio e se caracteriza como um modo de agir que dá atenção a todas que procuram os serviços do projeto ELAS, não só atendendo sua solicitação de crédito e disponibilizando recursos financeiros, mas percebendo aquilo que muitas vezes não é dito: ou seja até que ponto o “credito” vai realmente ajudar na inclusão financeira da solicitante, ou se, naquela situação o melhor seria encaminha-la para outras formas de atendimento até que o crédito se faça necessário.

O acolhimento não está restrito a um procedimento pre-determinado, a um espaço ou local. É uma postura ética. Não pressupõe hora, implica compartilhamento de saberes, necessidades, possibilidades, angustias, em uma palavra, empatia.

O agente de inclusão socioprodutiva tem um papel importante no acolhimento por ser um membro da equipe que faz parte da comunidade e estará visitando a residência das famílias o que ajuda a criar confiança e vinculo entre a mulher e toda equipe do projeto Elas .

Recomenda-se que o agente estabeleça um vinculo, crie laços, estabeleça confiança e cuidado com a família mas, por outro lado, e necessário que  saiba dissociar a sua relação pessoal do seu papel profissional como agente de inclusão socioprodutiva.

Para Realizar um Bom Trabalho o Agente Precisa:

  • Conhecer o território;
  • Conhecer não só os problemas da comunidade, mas também suas potencialidades de crescer e se desenvolver social e economicamente;
  • Ser ativo e ter iniciativa;
  • Gostar de aprender coisas novas;
  • Observar as pessoas, as coisas, os ambientes;
  • Agir com respeito e ética perante a comunidade e os demais profissionais da equipe;
  • Saber se comunicar com as pessoas e com a equipe;
  • Ter clareza de que objetivo maior do projeto é que a pessoa seja bem sucedida. O retorno do crédito deve ser uma consequência, e um indicador, natural dessa situação;
  • Desenvolver e estabelecer vínculos de confiança entre ele e a mulher  empreendedora, tomadora do crédito;
  • Manter aparência física e psicológica que propicie confiança na família visitada;
  • Compreender os limites de cada pessoa e respeitar o direito da mulher em não querer falar;
  • Demonstrar respeito e sensibilidade pelas informações prestadas;
  • Manter em sigilo todas as informações fornecidas pela mulher, bem como os dados  financeiros e  bancários, sob pena de ser responsabilizado judicialmente.

A Visita Domiciliar

  • Ao entrar na casa de uma família, você entra não somente no espaço físico, mas em tudo o que esse espaço representa. Nessa casa vive uma família com seus códigos de sobrevivência, suas crenças, sua cultura e sua própria história;
  • A sensibilidade/capacidade de compreender o momento certo e a maneira mais adequada de se aproximar e estabelecer uma relação de confiança é uma das habilidades mais importantes do agente. Isso lhe ajudará a construir o vinculo necessário ao desenvolvimento das ações de promoção ao desenvolvimento socioeconômico da mulher;
  • A permissão de entrada em uma casa representa algo muito significativo que envolve confiança no agente. É um procedimento de alta delicadeza;
  • Cada família tem uma dinâmica de vida própria não cabendo ao agente fazer qualquer comentário sobre a forma como a família se organiza nem tecer comentários sobre qualquer situação com pessoas alheias ao projeto.

Seu desempenho profissional deve ter como foco a criação de uma imagem de credibilidade e confiança em relação ao crédito e aos outros serviços oferecidos pelo Banco Palmas e pelo Projeto Elas. Com esse enfoque, o crédito passa a ser visto, pelo cliente, como uma oportunidade de desenvolver ou expandir a sua atividade produtiva e, consequentemente, melhorar a sua qualidade de vida e a de sua família; garantir e gerar trabalho para si e para os outros; potencializar a sua capacidade econômica e da comunidade; valorizar o potencial dos pequenos negócios, reconhecendo que a condição conquistada por seus proprietários é fruto de trabalho idôneo, diuturno e responsável.

Perfil do Agente de Inclusão Socioprodutiva

Para exercer papel tão importante e de tamanha responsabilidade,  precisamos contar com pessoas especiais, que apresentem as características especificadas a seguir.

Habilidades

Facilidade de comunicação – Especialmente pela responsabilidade no esclarecimento de dúvidas, no aprofundamento da divulgação/informação do programa e devido às características da clientela potencial, é indispensável ter facilidade de comunicação e utilizar linguagem simples, direta, clara e objetiva. Ter capacidade de ouvir, de perceber as necessidades dos clientes, são ferramentas fundamentais para o sucesso do agente. Enfim, compreender e fazer-se compreender.

Capacidade de identificar, aceitar e valorizar a clientela potencial do projeto – isto é, “gente que goste de gente”, que reconheça a importância dos pequenos negócios na geração de trabalho e renda para a comunidade e o País; que seja capaz de valorizar o esforço das mulheres e de sua família, para viver honestamente, a partir do próprio trabalho, por mais simples que seja. O agente deve manter uma relação de igualdade com o cliente, considerando sua importância para a economia e o desenvolvimento e nunca adotar postura de superioridade.

Excelente relação interpessoal – todas as suas funções estão direcionadas para as pessoas e são realizadas com pessoas, incluindo desde as atividades operacionais, como preparação da agenda, controles e formalização de contratos, até contatos com lideranças, visando à multiplicação de forças para o bom andamento e fortalecimento da instituição/programa na comunidade. A capacidade de identificar pessoas-chave e utilizar instrumentos que potencializem as ações da instituição/programa no local deve ser uma característica marcante desse profissional. Também é importante que tenha a habilidade para estabelecer contatos e mantê-los ao longo do tempo, ou seja, a criação e a manutenção de uma qualitativa rede de apoio.

Capacidade de ver seu trabalho como “seu negócio” – Age com visão empreendedora, empresarial e solidária.. Assim, cabe ao agente priorizar suas ações; organizar seu trabalho; buscar qualidade no atendimento; aprofundar seus conhecimentos sobre o cliente e a comunidade; conquistar novos clientes e manter os que já tem; usar todo o seu potencial e conhecimento para gerir com qualidade o seu trabalho.

Requisitos indispensáveis para que o agente de microcrédito tenha bom desempenho na função são a capacidade de planejar, estabelecer metas; ter iniciativa, persistência; buscar informações; manter o comprometimento; gerar redes de apoio para garantir o crescimento pessoas e econômico das mulheres e do projeto.

Atitudes

Dinamismo – condição fundamental, razão da diversidade de tarefas que precisa executar para bem desempenhar sua função e, principalmente, pela imagem de energia positiva, de otimismo, de batalhador, que precisa transmitir as mulheres, como agente de transformação. Aqui, novamente, o aspecto de servir de exemplo é observado.

Credibilidade e idoneidade moral – O  agente  de  inclusão socioprodutiva  deve  ser  um  modelo  positivo  para  a comunidade em que atua. Pelo fato de representar uma organização/projeto que possibilita o acesso ao crédito, produto que tem como um de seus pilares a confiança, deve atuar com transparência, inspirar credibilidade e demonstrar idoneidade moral. Essas são condições indispensáveis para atuar nessa função.

Busca constante da qualidade – é importante que ele sempre procure o aprimoramento e demonstre vontade de realizações como um valor, procurando agir, constantemente, para obter os melhores resultados com menor custo. Para tanto, é fundamental saber reconhecer e corrigir a fonte de seus erros.

Postura ética – O agente de inclusão socioprodutiva é a pessoa a quem o cliente entrega seus documentos, confia informações, com quem esclarece suas dúvidas, enfim, mantém contato mais frequente. Assim sendo, a postura ética evidenciada em suas relações de trabalho define a imagem da instituição para os clientes potenciais na comunidade. Para exercer suas funções, é preciso ter a confiança do cliente, demonstrando que as informações que lhe são repassadas têm caráter de sigilo bancário.

Os Agentes

Veja as fotos aqui

Projeto Elas